Panóptico

Um bosque só seu

with one comment

Um bosque só seu, um passo para uma cidade só sua.

Praças de São Paulo,

fomos resumidas a fotografias em sépia penduradas em restaurantes dedicados ao “happy hour” corporativo. Querem que nos recolhamos a nossa insignificância.

Na parede de uma padaria qualquer ou na de um “bar da firma” disfarçado de boteco carioca descansa nosso passado glorioso. Sim, todos nos admiram, ninguém nos quer! Retalhadas, esburacadas, ignoradas, resta-nos apenas o passado? Praças de São Paulo, mostremos que estamos vivas.

Os bandidos, as putas, os sujos e descalços, os golpistas, garotos perdidos, manifestantes, repentistas e artistas mil vivem a nossa procura. Sem pouso estes, sim, nos querem, nos procuram.

Praças, os novos tempos chegaram. Os bons modos se popularizaram. Falar direito, agir direito, “sofisticadamente”, como disse Tom Zé. Não escapamos dessa. Querem nos educar, querem nos botar num curso de atualização, querem nos emperiquitar. Praças públicas, querem selecionar a gente que por aqui transita. Querem escolher quem pode ler o jornal em nossos bancos.

Nunca! Impossível, todas sabemos. Miseráveis não faltam nessa cidade. As praças foram cercadas, os bancos retirados, policiais colocados em plantão, assassinos contratados, mas lá estão eles, os miseráveis. Eles sempre voltam. Voltam aos braços daquela que sempre os acolheu, a praça pública.

Sabemos que muitos se foram. Toda a classe média que nos admira naqueles comerciais de carro, que sorri ao folhear livros de “fotos antigas” foi embora. Sabemos, é duro. Eles adoram usar nossas calçadas para ensaios de moda e para propagandas modernas, mas nunca visitam estas velhas tias-avós.

Perderam o interesse. Foram para condomínios com “muito verde”, “espaço para as crianças” e “lazer completo”. Malditos! Demos tudo a todos. Sem seleção, sem olhar feio ou bonito, rico ou pobre. Todo esse conforto, vocês tinham de graça, e agora querem um bosque “só seu”? Ingratos!

Relacionados:
O parque – e as pessoas – que a classe média não vê
Por que construímos praças?
Cidade privativa
Garotos e garotas da bolha
A propriedade privada foi feita para você

Written by panopticosp

dezembro 11, 2009 às 16:09

Publicado em publicidade

Tagged with ,

Uma resposta

Subscribe to comments with RSS.

  1. Excelente, já estava sentindo falta de posts aqui no blog!

    Thiago

    dezembro 21, 2009 at 2:17


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: