Panóptico

Silêncio no minhocão | Bicicletada SP – Outubro 2008

with 2 comments

minhocao
Foto: Fernando Stankuns. Alguns direitos reservados

O “minhocão” é uma construção que dividiu bairros, acabou com a vida de moradores, com o negócio de comerciantes e com a beleza de uma região central de São Paulo.

Três quilômetros de escuridão e barulho por um único motivo: fazer o trânsito “fluir”.

Isso foi nos anos 70. De lá para cá, rios foram cobertos por asfalto, muitas pontes surgiram e a casa de muita gente foi destruída para dar lugar aos carros. O sonho de um automóvel na garagem de cada família continua em vigor, continua impossível. Não existe espaço, tampouco condições ambientais para que se concretize.

Durante a semana, o minhocão fecha às 21h30 para que os moradores dos prédios que o margeiam possam dormir, mas no último dia 31 ele fechou antes das 21h. A bicicletada passou por lá.

Olhares desconfiados surgiram por entre venezianas sujas, janelas entreabertas revelaram rostos assustados, dorsos nus emergiram em sacadas pichadas. Da via implacável, víamos a tudo. Histórias escondidas pela dureza daquela construção brotaram do concreto. Instados pelos ciclistas cumprimentos tímidos foram lançados de kitnetes; no pé do acesso à minhoca de aço e concreto, sorrisos de crianças acenderam um cortiço.

Sobre aquele antigo monumento ao automóvel, para nós tudo parecia belo e algo novo. No percurso de volta, durante o bloqueio de um acesso secundário, motoristas nervosos lançaram mão do poder dos vidros fechados e da buzina, negaram-se ao diálogo e aceleraram deliberadamente sobre um grupo de ciclistas. Nada grave, por sorte.

Muitos planos sobre o minhocão foram feitos. Pensaram em torná-lo um parque elevado; em levá-lo ao chão de vez. Fora reformado diversas vezes; virara cenário de filmes outras tantas. Em prol do trânsito, lá continua. Lá permanecem as pessoas em seus apartamentos baratos com vista privilegiada para o caos. Lá está a violência dos homens motorizados. Lá prossegue uma cultura de degradação.

Relacionados:
Bruxas e Sacis invadem a Paulista em mais um “Raloim do Saci”, artigo, Ciclobr
Somos todos sacis, artigo, Pedalante
Um atropelado com a boca no trombone, e-mail em lista aberta, Murfy Bike

Written by panopticosp

novembro 13, 2008 às 20:30

Publicado em transporte

Tagged with , ,

2 Respostas

Subscribe to comments with RSS.

  1. Muito bom o texto!

    Parabéns!

    dysprosio

    novembro 19, 2008 at 20:09

  2. Ao mesmo tempo que essa construção surgiu incomodando a vida de moradores da região em volta e também mudando o cenário do centro da cidade, hoje ele depois de tanto causar mal estar, passou a fazer parte da história de vida da cidade pelo simples motivo de causar incômodo. A narrativa do incômodo que fluía do minhocão foi sentida por muitos durante muito tempo, e essa narrativa já é parte constante nas relações que ali trafegam, bem como dos veículos. De um lado uma vontade decênia em retirá-lo dali, de outro o valor histórico que o “monumento” carrega, mesmo que essa carga seja o incômodo. A decisão eu deixo aos moradores de São Paulo. ps: nasci e moro em Manaus.

    Vinicius Leal

    maio 31, 2010 at 10:04


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: