Panóptico

Suspeitos vigiados x Balões coloridos

with 11 comments


Intervenção: Willian Lamson. Reprodução. Todos os direitos reservados. (via Boing Boing)

Mês de instalação de mais câmeras de vigilância em São Paulo. Aplicação de conceitos de segurança privada numa cidade de milhões. Padrão privado para uma questão social.

Na grande imprensa nada de novo, mês de matérias padrão sobre segurança pública [vídeo]. A “alta-tecnologia”, a “eficiência”, o “investimento” e as imagens capturadas pelas câmeras dão o tom da idéia de que, desta forma, estamos no caminho de um futuro sem crimes ou violência.

Ninguém pode ser abordado, revistado ou questionado pelos órgãos de segurança sem uma justificativa, ninguém pode ser monitorado sem indícios concretos. Mas o espetáculo da vigilância ininterrupta é sucinto. Apresenta maravilhas, entrega meia dúzia de batedores de carteira presos e ignora a privacidade dos hábitos da população.

A segurança pública pede que entreguemos liberdades civis históricas, como o anonimato e a privacidade em troca de uma “sensação de segurança”. As câmeras existem há tempos e a violência nas ruas prossegue. Enfim, o Estado de controle do século XXI vende algo que não pode cumprir a um preço que os que viveram o século XX conhecem bem. Começa-se a vasculhar computadores pessoais; passa-se a cadastrar suspeitos; daqui a pouco cerca-se a cidade para varrer os indesejados e termina-se abastecendo covas coletivas.

A grande imprensa, aquela essencial para democracia, não questiona a eficiência das câmeras instaladas e aceita dados genéricos fornecidos pelos órgãos responsáveis pelo monitoramento como se fossem insuspeitos. A tecnologia do sistema é apresentada como a última grande invenção humana e dá o gancho para a propaganda do governante a frente da iniciativa.

Complete a frase e terá uma matéria. Com um zoom capaz de ___, as novas câmeras da prefeitura flagram cenas como esta____ ou ainda _____. Segundo o tenente _____, os crimes _______. Fulana, que trabalha no centro, diz se sentir mais segura. “___”. A previsão é de que ________.

As câmeras de segurança de São Paulo já flagraram roubos de celulares, bolsas, gente passando mal, assaltos. Mas nunca flagraram fiscais extorquindo camelôs, nunca girou 360° para filmar um policial amaciando o fígado de um adolescente suspeito; nem nunca deu zoom de 10x num guarda civil espancando moradores de rua.

A responsável pelo monitoramente era a Guarda Civil Metropolitana. Agora teremos câmeras da PM também A PM eá aquela que sabe lidar com pequenos delitos em aglomerados urbanos. A Guarda Civil é aquela que deveria cuidar do patrimônio público da cidade, mas foi ganhando poderes de polícia. Passou a se dedicar a perseguir camelôs, ganhou armas, câmeras e, mês passado, o poder de confiscar mercadorias de comerciantes abulantes. A Guarda Civil é conhecida como a mais despreparada da cidade; aquela que, sem poder perseguir bandidos reais, aplica toda sua violência reprimida em cima de “criminosos perigosos”, como moradores de rua.

A Guarda civil afirma que tem critério no uso e divulgação das imagens. Seus delicados critérios são vistos diariamente nas ruas e na anual destruição do natal de quem não tem onde morar, quando costuma apontar armas para a multidão [pdf leve], tocar o terror geral e dar banho de spray de pimenta em secretários e vereadores, inclusive.

Se você está na rua, você é suspeito. Se você está na escola, você é suspeito. Está prevista a instalação de cerca de oito mil câmeras em escolas públicas. A prefeitura considera seus alunos criminosos em potencial e, enquanto recebem educação municipal, devem ser vigiados.

Que os alunos deixem as pichações com giz de cera para outro dia, chegou a hora de destruir câmeras.

Relacionados:
Vigiar, artigo, Panóptico
Câmaras CCTV falham no combate ao crime nas ruas do Reino Unido, artigo, O Vigia
A identificação dos assassinos natos, artigo, Le monde diplomatique Brasil
Câmeras de vigilância não reduzem crime em Londres, dizem políticos, artigo, IDG News
Especialista critica uso de câmeras de vigilância, artigo, La Vanguardia (via comentário do Gustavo)

Written by panopticosp

agosto 4, 2008 às 15:19

Publicado em cultura urbana, política

Tagged with ,

11 Respostas

Subscribe to comments with RSS.

  1. Parabéns pelas palavras, concordo em todos os sentidos, achei seu blog no Google quando procurava sobre abusos na divulgação ilegal de imagens de câmeras de segurança, isso virou moda em todo país, incompetentes querem instalar essas porcarias mesmo em cidades sem crimes, aqui o último crime violento no centro (no caso um roubo) foi em abril, mas eles agora gastaram mais de meio milhao para instalar 40 e poucas cameras, sendo que 7 podem dar um zoom no seu rosto. Sou algum bandido para ser monitorado? Devo ser monitorado ao tomar meu sorvete ou comer meu lanche parado na esquina? Ou pior, quem está controlando essas cameras? Quem fiscaliza essas pessoas? Poderiam eles dar um zoom nos seios ou nádegas da minha namorada e depois jogar a imagem na net? Em uma cidade onde praticamente não existem crimes, as pessoas por trás das cameras vão encontrar algo para se fazer durante os monótonos turnos de vigilancia, sentados em frente um monte de TV assistindo a mesma imagem, procurando suspeitos onde só há cidadãos de bem que não sabem que qualquer deslize, qualquer brincadeira inocente, pode ser confundida com uma atitude suspeita. Polícia deve trabalhar nas ruas e nao atrás da TV. Parabéns pelo Blog!!

    Gustavo

    agosto 4, 2008 at 20:51

  2. Se não estou enganado, Londres é a segunda cidade mais monitorada do mundo, só perdendo para Pequim. Na capital inglesa são dezenas de milhares de câmeras. O chefe da polícia local reconheceu que seriam necessários milhares de policiais para monitorar as câmeras em cada turno. Disse que isso simplesmente não era factível e que portanto não recomendava mais esta abordagem para o controle da violência urbana.

    Por que será que esta informação não fez sucesso?

    arnoudbr

    agosto 4, 2008 at 22:37

  3. Gustavo,

    Muito interessante seu relato. A cópia de ações de governo é um horror ainda mais absurdo qd o contexto não tem nada a ver com o local de origem da ação. As capitais brasileiras importaram essa moda de câmeras e as cidades pequenas a ‘importaram’ das capitais.

    Os prefeitos de cidades pequenas acham que medidas “como as da capital” vão emprestar um apelo moderno à cidade e à sua gestão. Claro, o interesse é eleitoral e não em implantar uma política pública eficiente e coerente com as necessidades da cidade.

    Fiquei sabendo que Piracicaba vive essa situação

    Mas que cidade vc mora?
    ————-
    Arnoud,

    é isso mesmo. Inclusive um dos links do texto é sobre essa ineficiência da câmeras de londrinas

    http://idgnow.uol.com.br/seguranca/2007/09/21/idgnoticia.2007-09-21.3410582264/

    abraços

    panoptico

    agosto 5, 2008 at 16:02

  4. Olá. Eu estou em Poços de Caldas, e aqui está evidente que essas câmeras foram feitas por motivos eleitoreiros. A Polícia, por mais que ela diga que isso veio para ajudar, não precisava disso, pois no Carnaval eles conseguiram fazer um trabalho excelente sem ajuda de câmeras. E o pior de tudo nessas câmeras é que elas estão sendo instaladas nos locais de menor incidência de crimes, porém de maior circulação de pessoas, não tem como passar pela praça e pela rua principal sem ver aquela coisa branca horrível pendurada no meio da rua te olhando, falta apenas um cartaz gigante em cima de cada uma, com o nome da prefeitura e o numero do candidato da situação, para ficar claro de uma vez por todas o motivo de terem instalados essas câmeras. É extremamente raro ouvirmos falar de um crime violento no centro, ninguém nem lembra qual foi o último, mas eles ignoram a situação de alguns bairros e gastam meio milhão de reais para instalar as câmeras apenas no centro, onde todos os leigos poderão ver e dizer “tá vendo, a prefeitura está trabalhando”. Acredita na boa vontade e honestidade da prefeitura quem quiser, eu não me sentirei mais seguro, pelo contrário, me sentirei perseguido e observado, me sentirei um suspeito em minha própria cidade. Nasci aqui e essa foi a maior palhaçada que eu já vi fazerem. A que preço vendemos nossa privacidade? Não tinhamos nem crime que justificasse essas câmeras. Mas estou de olho, primeiro caso de abuso que eu ouvir e já vou tomar providências legais contra essas câmeras, pois o nosso direito a liberdade e a privacidade não podem ser usurpados porque algumas pessoas querem se reeleger e continuar recebendo salários gordos às nossas custas e jogando fora nosso dinheiro em projetos rídiculos como esse.

    Gustavo

    agosto 5, 2008 at 18:53

  5. Aqui mais um link para ilustrar

    http://noticias.terra.com.br/jornais/interna/0,,OI1794018-EI8253,00.html

    Tenho vários outros, mas estao em inglês, no Brasil ainda não temos resultados claros da ineficiências dessas câmeras em locais públicos, porém é questão de tempo, devemos perceber que as câmeras começaram a ser instaladas pelas cidades do Brasil em 2005 e as prefeituras que o fizeram ainda são comandandas pelo mesmo pessoal. Por aqui nem sequer quiseram saber mais detalhes, disseram “Todas as cidades que fizeram tiveram bons resultados”. Isso deve ter sido o que a empresa de segurança disse à eles, porque se tivessem buscado informações confiáveis e concretas teriam desistido de jogar meio milhão de reais fora. Quando você vai comprar um carro você pergunta pro dono da concessionária se ele é bom? Claro que ele vai dizer que é… além de estarem roubando nosso direito à privacidade estão brincando com nosso dinheiro.

    Gustavo

    agosto 5, 2008 at 19:03

  6. pois é Gustavo, só para agravar, vale lembrar que a enorme maioria dos empresários do ramo de segurança privada e eletrônica são militares da reserva ou pessoas que ocuparam cargos na área de segurança pública.

    panoptico

    agosto 5, 2008 at 20:41

  7. No caso aqui, pelo menos uma coisa foi feita corretamente, quem monitora é a Polícia Militar. Se o monitoramento fosse feito por uma empresa de segurança privada acho que a situação poderia ser ainda pior, se com a Polícia monitorando eu já me sentirei inseguro próximo as câmeras se fosse uma empresa privada então… sabe-se lá o que esses seguranças de ternos, que depois de 15 dias de cursinho acham que entendem de segurança, fariam com as imagens. Seria mais lamentável do que já é. Mas o segredo é esperar, o tempo provará que apostar em câmeras e invasão de privacidade para combater crime (ou fazer sabe-se lá o que, já que aqui não havia crime) foi o maior erro que prefeituras fizeram. Londres está ai para provar, mas parece que ninguém quer ouvir. E parabéns pelo Blog, está muito bom!

    Gustavo

    agosto 5, 2008 at 22:33

  8. Como assim, pichação de giz de cera? Trens e ônibus estão sempre com os vidros completamente riscados. É destruição pura e simples.
    Quando vejo isso, quase todo dia, é o momento em que meus princípios libertários fraquejam; tenho o breve desejo sincero de que o pequeno delinquente seja pego e punido no ato, sem processo nem detenção.
    Não subscrevo cem por cento a tese do estado malvado e da polícia assassina, porque pessoas comuns e aparentemente honestas inventam, sim, merdas para fazer por aí quando deixadas a si mesmas. Sou um observador do bicho urbano. Basta passar um bom tempo nas calçadas da cidade para testemunhar como o limiar da convivência civilizada é baixo. Isso é combustível para todas as iniciativas fascistas de controle.
    O terrível é que as consequências dessas inciciativas explorem na cara de todos, os geralmente honestos e os ocasionalmente maus, os convictamente civilizados e os contumazes depredadores.

    Mario Amaya

    agosto 7, 2008 at 2:26

  9. […] Balões e (anti) vigilância em São Paulo. […]

  10. Oi, Mario

    O interessante é que as câmeras e o Estado estão sempre preparados para punir pichações, orelhões quebrados, vidros riscados. E é “sem julgamento” mesmo. Toma uma surra, leva para a DP, passa uma humilhação e libera. Alguns pichadores já contaram suas estórias de roleta russa na cabeça. Justiça rápida, digamos.

    Essas câmeras nunca pegaram crimes ligados ao Estado. Nunca pegarão licitações fraldadas, negociatas, parcerias soturnas.

    Enfim, moleque merece ser pego e condenado, pichar é muito grave; especular e brincar com a falência financeira de famílias é parte do jogo do mercado. Qq coisa, afasta-se o delegado responsável.

    Quando o responsável pela educação juvenil instala câmeras em suas salas de aula, é a prova de que desistimos da educação e temos fé apenas na punição dos mais fracos – punição cada vez mais sumária.

    panoptico

    agosto 11, 2008 at 10:42

  11. […] Suspeitos vigiados x Balões coloridos Atitude suspeita, blog Afaste-se, artigo, Gira-me CONVITE – REUNIÃO DA SUBÁREA […]


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: