Panóptico

Eu destruo o planeta

with 2 comments

seguroauto.jpg

Uma das opções rumo à privatização da cidade e à promoção do isolamento de luxo é comprar um apartamento num condomínio hotel-clube e ganhar uma árvore – com direito a estampar o nome da família nela; outra é comprar um apartamento com uma praia artificial embutida. São formas chiques de se auto segregar, de cultivar o medo e de pagar pela ilusão de deixar a da fealdade do mundo do lado de fora.

É possível também fazer uma apólice de seguro “carbono neutro”. Segundo a seguradora é possível:

“escolher um lote de floresta para preservação, que varia conforme o perfil da apólice contratada. O cliente associa a área adotada ao seu nome ou apelido”.

É a lógica da primazia do indivíduo sobre o coletivo, aquilo que a publicidade sabe tão bem explorar. Aqueles que conseguiram escapar da pobreza e têm trabalhos estáveis passam a lutar não apenas pela manutenção do conforto, mas a lutar pela manutenção do status social. Numa cultura onde cada trabalhador é inimigo do trabalhador da mesa ao lado a vida se torna um infernal enfrentamento (para cultura do inimigo vide o retrato e estimulo do programa de TV “O Aprendiz”).

seguroauto_02.jpg

Quando ser ecológico é moda e sinônimo de status nada mais natural do que comprar uma área de preservação e aumentar seu status.

Nada de reduzir a emissão de gás na atmosfera, nada reduzir a produção de lixo, nada de reduzir nada. Afinal, a intenção é aumentar o consumo, a posse de bens, a aparência. Assim, quanto mais se suja mais se limpa. Essa é a lógica da campanha “seguro carbono neutro” e da maioria das ações corporativas ligadas à ecologia.

Trata-se, claramente, de um apelo ligado a posse como podemos ver. No site da campanha é possível encontrar outros usuários que “adotaram” áreas. Como a família que brinca de construir sua própria cidadezinha e tem uma árvore com seu nome, aqui o segurado pode grudar uma etiqueta virtual com seu nome numa floresta.

Claro, quem pode mais, aparece mais, já que a parte que te cabe “varia conforme o perfil da apólice”. Quem consome mais tem direito à uma área maior. Utilizando a calculadora de CO2 a classe média entra na brincadeira da batalha do micro-poder e corre atrás de garantir algo maior do que o do vizinho.

Quatro toneladas de sujeira? Beleza, alto padrão de consumo, tem direito a cheque especial, cartão dourado, caixa exclusivo, desconto nas tarifas e 88 m2 de mata nativa.

Written by panopticosp

fevereiro 20, 2008 às 15:58

2 Respostas

Subscribe to comments with RSS.

  1. […] do banco que promove um seguro de automóveis em que a pessoa escolhe um lote de floresta para preservação e associa a área adotada ao seu […]

    Ecofinanciamento « Panóptico

    fevereiro 27, 2008 at 12:40

  2. […] vem do Consume Hasta Morir, que indica também o documentário “Líneas Discontínuas”. Eu destruo o planeta De verde, só o marketing Carro ecológico Sábado: dia de desperdiçar água e desrespeitar o […]


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: