Panóptico

Garotos e garotas da bolha

with 10 comments

cidade-dentro-da-cidade_r.jpg

Uma grave doença vem se espalhando no ambiente urbano controlado pelo capital. Famílias inteiras sofrem com os sintomas desta que já se considera a pior epidemia urbana desde o último surto de peste no século XIX.

A classe média parece ser a população com menor resistência à doença. Em muitos casos os infectados são obrigados a viver dentro de bolhas. A bactéria se aloja em empreiteiras e construtoras que se alimentam basicamente de licitações fraudadas, lobbies municipais, especulação violenta e outras artes. Todas construtoras, já constataram os infectologistas que cuidam do caso, tomam dinheiro emprestado dos próprios clientes para construir e dizem às famílias que se trata de “parcelamento do imóvel na planta”.

Os principais transmissores da doença são imobiliárias e corretores contratados. A falta de nutrientes essenciais ao homo sapiens e a exposição excessiva à mídia corporativa e à publicidade exploradora da insegurança das almas são considerados fatores que aumentam o risco de contaminação.

simpsons_bolha.JPG
Habitantes de Springfield tentam escapar da redoma. Cena de Os Simpsons, O Filme.

A doença – só que invertida – foi tratada no estilo humor do absurdo no filme Os Simpsons. No filme, Homer Simpson causa um desastre ecológico e, para evitar maiores danos, o presidente ordena o isolamento da cidade. Todos os cidadãos de Springfield são abandonados à própria sorte (…a empresa do assessor do presidente é contratada para garantir o isolamento).

No mundo real os cidadãos tratam de se isolar da sociedade voluntariamente, deixando do lado de fora da sua cidade particular a violência e tudo que os amedronta. Acreditam que uma redoma de vidro impenetrável os protegerá da fome, da doença, dos assaltos, do trânsito e de todo horror do mundo.

A publicidade, como um velho malandro 171, conhece seu alvo e ataca diretamente seus pontos fracos. O medo de descer um degrau na escala de status social, o medo de expor sua ignorância, a vontade de parecer com seus ídolos anônimos ou famosos e de mostrar seu suposto crescimento aos colegas fazem parte do estratagema da publicidade voltada para a classe média.

Centenas de ilhas da fantasia, parques privativos e redomas blindadas formam algo monstruoso. Um local onde apenas há avenidas, shoppings center e condomínios com seus “portais” onde os carros entram e não se sabe mais nada sobre esta cidade dentro da cidade e seus habitantes – como eles vivem, o que comem, como se reproduzem… Temos, assim, um mundo dentro de um mundo, estranhos, o começo do fim do que se chama de sociedade.

Enquanto os recursos dos fundos públicos sustentados por milhões de trabalhadores são usados para construção destes fortes de proteção contra a fealdade do mundo, seus financiadores continuam pagando por aluguéis irreais em bairros do lado de fora da bolha. Abandonados à sorte da especulação imobiliária, ainda são obrigados a tolerar o discurso da “revitalização”, a maquiagem urbana utilizada para que os habitantes das redomas possam sair de vez em quando e não terem que se deparar, a caminho do teatro, com a bestialidade da pobreza.

Relacionados:
Cidade privativa

Written by panopticosp

novembro 5, 2007 às 12:10

Publicado em publicidade

Tagged with , ,

10 Respostas

Subscribe to comments with RSS.

  1. […] público é comprar um carro e que o mundo perfeito está dentro de uma bolha particular. Garotos e garotas da bolha A rua inteligente This entry was written by luddista and posted on 17 de Novembro de 2007 at […]

  2. Boa reflexão.
    Mas como a gente muda isso?
    Será que basta acabar com a publicidade?
    Que alternativa existe ao “capital”? O socialismo morreu pela própria incapacidade das pessoas (seja pelo poder corrompido ou pela insatisfação das pessoas).
    Que sistema novo a gente vai propôr para mudar isso tudo?

    Madu

    novembro 22, 2007 at 7:54

  3. […] das opções rumo à privatização da cidade e à promoção do isolamento de luxo é comprar um apartamento num condomínio hotel-clube e ganhar uma árvore – com direito a estampar […]

  4. […] The Shock Doctrine by Alfonso Cuarón and Naomi Klein, vídeo Garotos e garotas da bolha Cidade […]

  5. […] que estar num Jaguar blindado é mais seguro do que estar num carro comum sem blindagem só pode viver dentro de uma bolha e desconhecer completamente o que desejam os […]

  6. […] investimos em condomínios, em pontes e túneis, o animal coletivo vai se acanhando, se isolando. Machucado, fica arredio e a […]

  7. […] sem medo. Tomaram a cidade, suas descidas e subidas, numa bicicleta de carga. E desprezando as bolhas de “lazer completo” mostraram que lugar de criança é na […]

  8. Sensacional este post, que consegue retratar com mestria a realidade dos novos-ricos, condomínios, suvs, playstations e ares condicionados. Há quem reclamar a rua, reclamar o que é por direito nosso e dos nossos filhos.
    Bem haja pela sagassidade e capacidade de causar o desassossego.
    abraço

    Gonçalo Pais

    julho 29, 2008 at 11:13

  9. quero saber do método shel

    daniel muteca

    outubro 6, 2008 at 7:09

  10. […] – e as pessoas – que a classe média não vê Por que construímos praças? Cidade privativa Garotos e garotas da bolha A propriedade privada foi feita para […]

    Um bosque só seu « Panóptico

    dezembro 17, 2009 at 11:07


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: