Panóptico

Bionegócios abastecem motores com álcool e sangue

with one comment

Uma tonelada de cana-de-açúcar gera cerca de 40,5 litros de álcool combustível, cada cortador de cana precisa cortar no mínimo 12 toneladas por dia para manter-se “empregado”, para tal golpeia seu facão cerca de 120 mil vezes por dia.

Um carro que consume cerca de 1 litro de álcool por quilometro queima cerca de 0,024 toneladas de cana-de-açúcar por litro. Cada dia de trabalho de um cortador de cana (pelo menos 12 toneladas) abastece 486 litros, o suficiente para rodar uns 6318 km, com um custo ao consumidor de uns R$ 962 (média brasileira R$1,98/litro). Seria o consumo semestral de um carro que percorre cerca de 35 km diariamente – em São Paulo é algo como ir e voltar de uma residência num condomínio fechado com lazer completo ao trabalho na região central.

Os cortadores de cana ganham por produção, muitos pararam de produzir porque morreram exaustos no meio do canavial pensando em juntar algum dinheiro enquanto seus patrões almoçavam com representantes do BNDES; outros perderam um membro na lâmina do próprio facão enquanto palestras eram proferidas no World Trade Center paulistano; todos têm uma vida produtiva curta, seus corpos, levados ao limite, não conseguem continuar abastecendo automóveis por muitos anos.

“Para se ter um parâmetro, na década de 80, na greve de Guariba, os trabalhadores conquistaram um piso salarial para a categoria, de dois salários mínimos e meio. O piso é referência para os dias que ele não corta cana e baseia o cálculo dos direitos trabalhistas. Isso trazido para o salário de agora daria R$ 950,00. Mas hoje, uma pessoa que corta em média 12 toneladas por dia, ganha entre R$ 600,00 e 750,00 por mês. O piso salarial mais alto da categoria, que acaba de ser negociado pelos trabalhadores que fizeram greve no Estado de São Paulo, é de R$ 500,00, ou seja, um pouquinho mais que a metade do piso salarial da década de 80. De outro lado, a produtividade do trabalhador entre a década de 80 e hoje duplicou: era de seis toneladas de cana por homem, por dia. Agora é de 12 toneladas por homem, por dia. Quem não corta dez é mandado embora.

Portanto, a gente poderia tomar como indicador de salário atual o piso salarial da década de 80. Principalmente num momento em que o álcool é a vedete mundial. A cana está na crista da onda, mas ela tem um enorme passivo trabalhista. Por que é que não se conserta isso? Os usineiros dizem que não podem pagar por produção porque ´sempre foi assim`. Mas não é verdade, uma parte da produção era escrava e os escravos não ganhavam por produção.” (Francisco Alves, em entrevista a Beatriz Camargo, em Repórter Brasil).

Entrevista completa: Pesquisador prega extinção do trabalho por produção

Relacionados:
Religioso alerta que incentivo à plantação de cana para o etanol pode aumentar trabalho escravo , por Yara Aquino, Repórter da Agência Brasil
Ação recorde resgata 1106 trabalhadores da cana no Pará, por Iberê Thenório e Leonardo Sakamoto para Repórter Brasil.
Trabalhadores escravos libertados relatam vida na “prisão”, Por Isabela Vieira, Repórter da Agência Brasil.

Anúncios

Written by panopticosp

agosto 10, 2007 às 18:54

Publicado em política, transporte

Tagged with ,

Uma resposta

Subscribe to comments with RSS.

  1. […] Bionegócios abastecem motores com álcool e sangue Cana-de-açúcar, verbete, […]

    Progresso « Panóptico

    dezembro 10, 2007 at 20:31


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: