Panóptico

Túneis, Poluição, Ossos

with 5 comments

alexandre_orion_01.jpg
Direitos reservados. Alexandre Orion. ossário.net.

Programas do estilo “As Maravilhas da engenharia mundial”, em destaque nos canais de TV que vendem conhecimento express trazem maravilhosas pontes, impressionantes viadutos, monstruosos túneis e tecnológicas rodovias como exemplos da magnitude do conhecimento do Homem. Entrecortar montanhas, cavar sob canais, transitar sobre rios. O poder do cérebro desenvolvido e do dedo opositor desse animal é infinito.

Seu melhor amigo, o automóvel, está quase sempre por trás destas grandes obras da engenharia moderna; quando não, estão seus amigos, petróleo e territórios. Na cidade, o ar, a água e a vida vêm depois. Árvores, morros, lagos e rios existem muitos. Removamo-os! O trânsito precisa fluir, é preciso ligar um vazio ao outro, ligar condomínios fechados a office buldings, shopping centers a mega stores, ligar uma garagem a outra garagem, ligar um subsolo ao outro, um congestionamento ao outro.

Durante o dia, os cavaleiros do apocalipse motorizado marcham lentamente; nas madrugadas, em alta velocidade. Em qualquer horário, espalham o medo por onde passam. Como em qualquer batalha, a batalha do trânsito entrega a dor dos ferimentos, a tristeza das seqüelas e a tragédia da morte violenta a milhares de famílias. Pedestres, ciclistas, qualquer um que não vista a armadura de aço, porém não consegue se manter alheio ao conflito e é uma potencial vítima, um alvo civil.

Seres mortos por falta de ar limpo é o lado menos visível desta guerra. Os mais vulneráveis, obviamente, morrem em maior quantidade. São os filhotes, eles crescem com pulmões sujos e os narizes entupidos, trancados em casa e em escolas, sofrem de alergias. Seus pais desperdiçam horas de carinho no trânsito, a rua é um lugar perigoso e as outras crianças também estão em suas casas com a TV ligada. Para uma minoria, o carro faz parte da rotina, de um espaço fechado ao outro, são levados do inglês para a natação, da escola para a praça de alimentação, semanalmente para playland o shopping center.

Os cavaleiros do apocalipse motorizado respiram o mesmo ar que todos os demais seres. Filhotes da classe média possuidora de convênios médicos e filhotes da periferia desarborizada amontoados em UBSs (Unidade Básica de Saúde) lotadas respiram o mesmo ar. Os cavaleiros galopam com a chave da culpa por mortes desligada pelo grupo indústria automobilística quebradora de recordes + agências de publicidade auto-regulamentadas + governo omisso e sua busca por maior PIB. Os pedetres e usuários do transporte público, por sua vez, contam com o mesmo grupo de desligamento: a indústria promete status; propagandas, sucesso em forma de mulheres, amigos, sol e virilidade; governos, a idéia de que é possível adquirir direitos comprando produtos.

alexandre_orion_02.jpg
Direitos reservados. Alexandre Orion. ossário.net.

Esta lógica que criminaliza o transporte público e humilha seu usuário, fica bem resumida no trabalho de Alexandre Orion. Num mundo sujo, com lugares desabitados, sem serventia outra senão a de servir e venerar o automóvel, o maior desaforo é perceber estes locais, estar neles desarmado, caminhar por eles. Quando Alexandre, mais do que estar desarmado de um automóvel nestes locais, propõe realizar atividades humanas milenares que buscam pensar o ser, como o desenho, o afronte é evidente.

Seus desenhos de caveiras não utilizam tintas, cores ou relevos. Neste local morto que é o túnel de uma grande cidade, desenhar figuras de morte utilizando panos brancos é uma desobediência intolerável. O caminhão-pipa é chamado para lavar e apagar este cemitério de rostos.

Tão interessante quanto seu trabalho foi a reação oficial, que promoveu a limpeza dos desenhos (que de qualquer forma desapareceriam com as novas camadas de poluição por vir). A ação da prefeitura que lavou o túnel para “cobrir” a sujeira dos desenhos, conseguiu resumir a ordem geral: deixar poluir, deixar morrer e matar, apagar as expressões em contrário. O artista diz em seu relato, “eles anularam a mensagem criando uma grande área limpa e deixando o restante do túnel sujo como deve ser. O crime passou a ser outro: censura! Rs”. Desta “limpeza”, Alexandre gerou mais uma obra, produziu uma tinta pigmentada com poluição (partículas sedimentadas da lavagem).

“Estas ruas são feitas para dirigir tão rapidamente do trabalho para casa e vice-versa. São ruas para passar, não para viver” (André Gorz, A ideologia do automóvel). Citação na página principal de ossário.net.

:: Vídeo Ossário
:: Ossário, Alexandre Orion
:: A Conquista do Espaço

Written by panopticosp

agosto 8, 2007 às 19:38

Publicado em cultura urbana, transporte

5 Respostas

Subscribe to comments with RSS.

  1. Muito interessante o seu blog, gostei muito e voltarei mais vezes!
    Um abraço!

    atmj

    agosto 10, 2007 at 6:34

  2. De medidas extremas está se fazendo o Mundo, e essa Página parece-me atenta a isso, acerca de um dos pilares da showciedade: o transporte – mormente o urbano.

    uaíma

    agosto 10, 2007 at 8:10

  3. Belo texto!

    léo

    agosto 21, 2007 at 18:41

  4. Gostei muito do texto. Quanta hipocrisia!

    Essa é a minha primeira visita e espero voltar mais vezes. =)

    Isabella

    agosto 27, 2007 at 22:02

  5. […] a pichação inversa no paredão debaixo do viaduto Washington Luis, utilizando nada além de um pano e água. Molhando […]


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: