Panóptico

Tinha um muro no caminho

with one comment

calcada_arnaldo_02.jpg

“Gradativamente estamos adequando São Paulo à realidade mundial, ou seja, permitindo que o pedestre caminhe pelas calçadas de sua cidade com segurança, sem que corra o risco de topar em algum obstáculo indevido”

afirmou Andrea Matarazzo, secretário das Subprefeituras e subprefeito da Sé.

A avenida Dr. Arnaldo, em São Paulo, tem esse nome em homenagem a um dos fundadores da Faculdade de Medicina de São Paulo, a estação Clínicas do metrô fica lá e tem esse nome porque o Hospital das Clínicas está no quarteirão de trás. O Instituto de Infectologia Emílio Ribas e o novo Instituto Doutor Arnaldo ficam na própria avenida. Apesar disso, é mais lembrada nos guias de dicas paulistanos pelas 23 bancas fixas de flores, que ocupam quase toda a largura da calçada e onde é possível comprar um agrado para a princesa sem descer da montaria de aço – basta descer o vidro negro e pagar.

Se o tratamento de um paciente com dificuldade de locomoção acontece num destes centros médicos de referência, ele precisará apelar para a solidariedade de um vizinho, amigo ou parente que tenha carro, pois numa cadeira de rodas chegará a lugar nenhum e pode encerrar o tratamento com um beijo no asfalto e um abraço forte dos pneus do tráfego assustador de carros e ônibus da avenida.

Esse ano a prefeitura resolveu reformar algumas calçadas da cidade – junto com a iniciativa privada, claro. A reforma na Av. Dr. Arnaldo anda enrolada, enrolada para os pedestres, é óbvio.

O novo piso da avenida contará com as chamadas faixas de serviço e livre. (…) A faixa livre, localizada no lado interno da calçada, destina-se à circulação de pedestres, sem nenhuma interferência física. Com largura constante de 1,8 metro, foi planejada também para atender às pessoas com deficiência ou com mobilidade reduzida e oferecer segurança durante a caminhada.”

Fonte: Secretaria Especial da Pessoa com Deficiência e Mobilidade Reduzida

calcada_arnaldo_03.jpg

Piso novo, lógica de sempre. Com muita sorte, digamos, a obra não utilizará materiais mais baratos e de menor qualidade que os licitados, não desviará recursos em espécie, não estourará o prazo de conclusão, mas aposto que deixará os “acabamentos” inacabados. No final, os síndicos Andrea Matarazzo e Gilberto Kassab dirão que a cor do chão ficou muito bonitinha e que trata-se de um importante presente ao cidadão.

Já durante as obras, vale tudo. A prefeitura e a Cerqueira Torres Construção não consideram árvores, postes e muros obstáculos. Faz parte do processo da obra, é temporário, diriam. Sim, durante este período, o cadeirante pode tentar escalar os muros, escalar as árvores ou mesmo descer suas duas para o asfalto, se agarrar ao pára-choque traseiro de um ônibus e aproveitar a carona para chegar mais rápido e descansar os braços.

Obs.: Aparentemente, os muros se tratam das novas bancas de flores que serão distribuídas ao longo da quadra.

Relacionados:
1º mandamento para administrar SP: nunca atrapalhe os carros
Flores X fumaça

Written by panopticosp

maio 30, 2007 às 1:27

Publicado em transporte

Tagged with ,

Uma resposta

Subscribe to comments with RSS.

  1. Remarkable issues here. I’m very happy to see your post.
    Thank you so much and I am having a look ahead to contact
    you. Will you kindly drop me a mail?

    Ahmed

    junho 4, 2016 at 22:07


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: