Panóptico

Para Andrea Matarazzo catadores são problema

with 8 comments

catadores.jpg
Foto: cuducos ->. Alguns direitos reservados


“Têm muito bar vagabundo, essas saunas, esses cinemas pornô que são prostíbulos. Temos que fechar tudo isso.”


Declaração de Andrea Matarazzo para Folha de S. Paulo, 12/05/2007.

Andrea Matarazzo, bom Andrea Matarazzo é um sujeito requintado, para ele “bar vagabundo” ter que ser fechado, para ele cerveja gelada, mesa de lata e copinho de pinga 51 não pode; vinho climatizado, cachaça mineira, mesinha de madeira e azulejinho português pode. Até aí, uma visão elitista e higienista de mundo como aquelas que choveram nos comentários do youtube, CMI e blogs sobre o caso da confusão causada pela PM durante show dos Racionais na Virada Cultural. Coisa preocupante.

A coisa deixa de ser apenas preocupante porque o sujeito é secretário municipal das Subprefeituras de SP e também subprefeito da Sé. Encarna uma espécie de secretário pop, que ao mesmo tempo que pavimenta o caminho para sua carreira, faz as vezes de assessor de impressa da prefeitura criando factóides mensalmente. É querido entre seus pares e porta a voz dos milhares de fascistas, xenófobos e racistas que habitam a cidade e que vira e mexe, em casos como o dos Racionais na Virada Cultural, deixam vir à tona seu ódio.

“É preciso um novo projeto para o recolhimento de lixo reciclável. O padre [Júlio] Lancelotti [militante ligado a cooperativas de catadores] que me desculpe, mas eles são um problema. (…) Bares como o Royal [com ingresso a R$ 80 para homem e R$ 40 para mulher] são importantes para a revitalização. Os moradores é que terão de se adaptar, instalar janelas anti-ruído”


Claro, um projeto. Uma ong seria contratada através de uma transparente licitação; um estudo de viabilidade e planejamento assinado por reconhecidos estudiosos seria entregue em 6 meses; o coquetel de lançamento marcado no centro cultural de uma grande empresa; durante o lançamento, professores universitários teceriam elogios ao projeto ressaltando seu caráter inovador, um coordenador lembraria sua admiração pela coragem do secretário municipal, sem a qual o projeto não seria possível, juntamente com os canapés e taças de vinho, impressos seriam distribuídos aos convidados; a assessoria de impressa se encarregaria de conseguir uma página nos jornais de maior circulação; a agência de marketing contratada bolaria um selo de responsabilidade social; as empresas envolvidas recolheriam o lucro de sua iniciativa socialmente responsável; poucos semestres depois seriam apresentados os resultados do projeto ao BNDES, BID, Prefeitura e demais financiadores; a parcela final do contrato paga às ongs e consultores, e, então, o projeto encerrado.

Para Andrea Matarazzo, deveria ter sido assim. Não foi. Uma cidade cheia de desempregados e lixo reciclável nas ruas; os primeiros cansados e desesperados metem a mão na massa e colocam tudo o que uma carroça puxada por eles mesmos pode comportar e vendem o material por poucos reais a atravessadores. As famílias conseguem se manter vivas.

Outros trabalhadores aderem a profissão, outras famílias sobrevivem. Em meio ao carnaval, ano novo ou qualquer festa em que latas de alumínio sejam descartadas, lá estão famílias com sacos nas costas. O país de torna um dos maiores recicladores do mundo, sem qualquer incentivo ou reconhecimento do Estado, seu protetor.

Suas carroças são movidas a arroz e feijão, construídas com um eixo, dois pneus, sucata, um par de chinelos e músculos, mais nada. Recebem buzinadas e gritos vindos de carros com ar-condicionado movidos por motor à combustão.

Aprenderam a lidar com esse preconceito e intolerância. Porém, quando um governante declara em jornais que trabalhadores autônomos (responsáveis pela coleta seletiva que a prefeitura não faz) são um problema, quando resolve tornar os xingamentos e buzinadas política pública oficial e decreta a “ilegalidade” dos trabalhadores, apreendendo carroças e os insultando passa-se a fronteira do preconceito e caminha-se para a política exterminadora, que cassa o direito universal ao trabalho, à sobrevivência e à manutenção ambiental da cidade.

A idéia de enquadrar e engessar idéias autônomas, independentes e criativas que deram muito certo é história antiga, agora parece ser a vez dos catadores de recicláveis. Projetos onde “a meta é legalizar os catadores” estão por aí

Relacionados:
Centro Vivo
Escracho a Andrea Matarazzo, 10/2005
Fotos do Escracho a Andrea Matarazzo, 10/2005
Vídeo do Escracho a Andrea Matarazzo, 10/2005
Vídeo Matarazzo Big Brother
Moção da Ass. Brasileira de Redutores de Dados sobre a “limpeza” no centro, 2005
Defensor público acusa prefeitura de promover “higienização social”, 01/2007
Movimento Nacional dos Catadores de Materiais Recicláveis
Coopamare

Technorati tags: gentrificacao, andreamatarazzo, saopaulo, catador, lixo, gentrification.

Written by panopticosp

maio 14, 2007 às 15:14

Publicado em política

Tagged with , ,

8 Respostas

Subscribe to comments with RSS.

  1. Ótima critica!

    O fosso social na cidade de SP tá cada dia mais evidente (pelo menos pra quem consegue relativizar as notícias da “grande” mídia). O debate sobre a “operação” da PM durante o show dos Racionais que se trevou no youtube é alarmante. Muitas criticas rasas, e até rasteiras, não conseguem ir além das imagens exibidas pela TV. É como se a situação fosse simples: falaram mal da policia, algumas pessoas se comportaram mal subindo em arvores (!) e bancas de jornal, então, gás de pimenta, cassetete e bala de borracha pra todo lado.

    Sem se falar nesse tipo de discurso higienista. Querem empurrar o problema social pra baixo do tapete. Pra ter emprego precisa de educação. Pra ter educação precisa ter escola ( e de qualidade). Não tem educação, como vai ter emprego? Não tem emprego, vai fazer o que? Câmara de gás? O clima tá (cada dia mais) tenso…

    nóis

    maio 14, 2007 at 16:45

  2. […] cidade onde subprefeitos administram a cidade como se fossem síndicos de condomínios de classe média, o que esperar dos […]

  3. […] artigo, Vá de bike! Os caras-de-pau e Kafka sobre quatro rodas, artigo, Apocalipse motorizado Para Andrea Matarazzo catadores são problema, artigo, panóptico Centro Vivo, artigo, […]

  4. […] Relacionados: Por que construímos praças? Para Andrea Matarazzo catadores são problema […]

  5. […] em operação no Centro de SP não aceitam ir para abrigos da prefeitura, reportagem, Rácio CBN Para Andrea Matarazzo catadores são problema, artigo, Panóptico Centro Vivo, artigo, Panóptico ”É difícil ganhar uma eleição […]

  6. […] proposta dos Pólos de Economia Criativa veio do vereador Andrea Matarazzo, já famoso por suas iniciativas higienistas como a rampa anti-mendigo e o combate aos catadores de materiais recicláveis (que ele já […]

  7. […] proposta dos Pólos de Economia Criativa veio do vereador Andrea Matarazzo, já famoso por suas iniciativas higienistas como a rampa anti-mendigo e o combate aos catadores de materiais recicláveis (que ele já […]

  8. Acorda Brasil

    REGINA

    abril 28, 2016 at 19:39


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: