Panóptico

Para polícia população não tem direito à cidade

with 3 comments

À meia-noite a praça da Sé estava tomada de pessoas de diferentes classes, idades e cores.

Horas depois, treinada para desrespeitar primeiro, agredir depois e matar no final (a ordem dos fatores não é essa a depender do perfil da vítima), a Polícia Militar encontrou um motivo para demonstrar sua força.

Os Racionais são um dos maiores e mais respeitados grupos do Brasil. São odiados pela polícia, claro. São narradores do que acontece na periferia de São Paulo e, conseqüentemente, denunciantes do sistema de violência que a polícia mantém contra a enorme maioria da população, negros e pobres sem acesso a direitos.

Passeatas, protestos, shows e qualquer tipo de manifestação dependem da autorização dos donos da cidade, a Polícia Militar. A polícia militar faz parte de um amplo grupo criminoso – que conta com a polícia metropolitana, grupos especiais e polícia civil – e está sob o controle da Secretaria de Segurança Pública.

O centro de São Paulo, usual reduto de chacinas de moradores de rua cometidas pela polícia pública e privada, estava tomado pela população, a polícia nada poderia fazer, mas deu um jeito e fez.

A grande mídia repetiu o nome Racionais MC’s para todos os lados, a Globo News, por exemplo, narrou que “o tumulto começou quando o grupo cantava uma música com referências a polícia militar”. Algo bastante diferente dos apelos pelo bom senso e racionalidade que se vê o vocalista do grupo, Mano Brown, dizendo durante a confusão.

O tom de que pretos e pobres não sabem se divertir e são um bando de maloqueiros está sendo difundido em massa pela mídia corporativa. Imagens das câmeras de segurança (aquelas que nunca filmam as agressões policiais) dão “outros ângulos do tumulto”, segundo a Globo. Para a Rede “PMs com uniformes de patrulhamento, formando um cordão de proteção na frente das lojas, logo depois uma parte do público se vira contra os policiais e começa a provocá-los, os PMs se afastam, o grupo sobe numa banca de jornal”.

De fato, o ângulo revela que a polícia serve exclusivamente à proteção da propriedade privada, de que em minoria recua, de que em maioria e armada pode acabar com a festa numa praça pública e que para conter um grupo vândalos, está disposta a aterrorizar 30 mil pessoas, empunhando armas, atirando balas de borracha e jogando bombas de gás lacrimogêneo de forma generalizada.

A PM de São Paulo não tem comando e é absolutamente despreparada para lidar com a população que deveria proteger. Sente-se parte de uma outra esfera, de uma seita particular com regras próprias, não é uma instituição pública de repressão e controle, mas sim uma instituição de julgamento sumário. Decide que aquele é suspeito, agride; que aquele é desordeiro, espanca; que aquele é bandido, mata; que aquele é doutor, favorece.

A PM de SP, a cada dia, se especializa em acabar com a festa de qualquer pessoa que queira exercer seus direitos e se manifestar em grupo na cidade de São Paulo. A PM entende que muita gente é igual a bagunça e bagunça não pode; se não pode, bate, prende e bota para correr. Não há limites, a PM acaba com os eventos patrocinados pelo próprio Estado.

A nota da Secretária Estadual de Segurança, como sempre, não diz nada. A nota “PM contém tumulto e depredações na Praça da Sé”, não cita os disparos de balas de borracha indiscriminados à curta distância, nem a atitude irresponsável de colocar milhares de pessoas para correr desesperadas pelas ruas.

Se a prefeitura da cidade mostrou pela terceira vez que é possível um evento cultural variado durante 24 horas, se a população mostrou que está disposta a ocupar as ruas, a PM mostrou que cultiva regras e ações próprias e violentas, e assim pretende continuar.

Relacionados:
Polícia Militar acaba com a virada cultural com o uso de bombas

PM X Povo no show dos Racionais – Relação de Vídeos

Technorati tags: viradacultural, policia, racionais, police.

Written by panopticosp

maio 7, 2007 às 17:14

Publicado em mídia, política

Tagged with , ,

3 Respostas

Subscribe to comments with RSS.

  1. O mais engraçado dessa história toda é q a liberdade de expressão foi esmagada como nos velhos tempos da ditadura. A PM não aceita ser criticada. Se a saúde pública, assim como a educação e tantos outros serviços públicos têm problemas e podem ser criticados, pq a segurança pública não poderia? A ação da PM foi totalmente equivocada; ao invés de oferecer segurança, apavorou a esmagadora maioria q estava lá pra ver o show. Tal atitude só corrobora as críticas emitidas pelas letras dos Racionais.

    leonardo

    maio 9, 2007 at 14:51

  2. […] maior jornal do país” peça para seus leitores enviarem fotos, porque ele não estava lá quando a polícia massacrou uma multidão durante evento público na praça da sé, e é odioso que utilize as fotos de usuários ansiosos por uma falsa fama para mentir sobre o que […]

  3. […] era a Guarda Civil Metropolitana. Agora teremos câmeras da PM também A PM eá aquela que sabe lidar com pequenos delitos em aglomerados urbanos. A Guarda Civil é aquela que deveria cuidar do patrimônio público da cidade, mas foi ganhando […]


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: